segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

       Uma das caracteristicas negativas do ser humano é a sua necessidade de lutar contra fatos consumados, aquelas situaçoes ou coisas presentes em algum momento e que a sua vontade individual nao fará que com que mudem de modo algum. A conta de eletricidade, por exemplo; com esse calor do verao, você vai deixar o ventilador ou ar condicionado desligado em nome da economia, para passar um desconforto enorme? Claro que nao, o que você precisa é pensar o seu consumo de eletricidade de uma maneira racional, de modo a nao ter surpresas desagradaveis quando chegar a conta no fim do mês. Mas isso significaria fazer com que você tenha de sair da sua zoninha de conforto, nao é? E isso se traduz em esforço, algo que você nao quer desempenhar de modo algum, e com isso prefere ficar reclamando na sua sala de estar, sentindo aquele calorao.
Outro exemplo: um casamento de alguns anos, em que uma das partes já nao ama mais a outra; o que seria melhor? Ambos se separarem e cada um buscar sua felicidade novamente; mas nao: o casal prefere ficar junto a todo custo, mais para provar para os outros que ainda se amam (quando isso nao é mais verdade) ou alimentando a ilusao de que um dia o sentimento voltará quando lá no fundo, ela e ele sabem que isso nao se confirmará. E dá-lhe os dois lutarem contra um fato consumado.
Por isso admiro o cearense que, mesmo formado professor na faculdade, prefere descer até Sao Paulo pra ser arigó na construção civil, esse ao menos está lutando contra um fato consumado, e certamente ganhando mais que alguem que precisa manejar quase quarenta alunos por turma em até três turnos por dia em cinco dias da semana.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

A ilusão que é o futebol

                  Neste sábado último (escrevo no domingo, 30-08-15), eu me dirigia a um ponto de ônibus, com o intuito de voltar para casa, após uma não muito necessária ida a um supermercado, quando passei por um clube de futebol; um clube de futebol amador, digamos assim, voltadopara as chamadas "categorias de base" (sub-17, sub 16...) e vislumbrei, além do homem responsável pelo clube naquele momento, uma senhora e mais dois guris, adolescentes provavelmente com idades entre quatorze e dezesseis anos de idade. Deveriam estar "fazendo ficha no clube", ou tentando saber como as coisas funcionam para serem admitidos em seus quadros. Aí me dei conta: tentariam o futebol. Ou melhor: se entregariam à ilusão que o futebol proporciona.
                Eu apenas posso imaginar motivos para tentar uma carreira nesse esporte: ajudar uma família possivelmente de pouquíssimas posses, ou jogar a sorte por acreditarem que será uma saída profissional devido a possivelmente terem passado por uma educação pública de qualidade ruim, ou ainda pela ambição de obter o status, a fama e o dinheiro que conseguem os grandes expoentes do futebol, como Cristiano Ronaldo. Olhando de vislumbre aquela cena, estava claro (pela aparência deles) que certamente estavam ali por um dos dois primeiros motivos que mencionei antes, senão pelos dois complementarmente.

                Senti pena daqueles dois adolescentes. Crer que um clube de sede exígua como aquele seria a "porta de entrada" para uma "redenção" familiar ou profissional é fruto de ingenuidade ou de desespero, e eu prefiro crer no desespero, em casos assim. Precisarão mostrar algum talento para serem aprovados e integrarem as equipes do clube; aquele não é um clube grande como o Vasco, que tem seu próprio "networking": uma rede de empresários, agentes, procuradores, olheiros e escolinhas, a fim de selecionar meninos capazes de jogar futebol em um bom nível para atuarem nas categorias de base e, em dado momento, chegarem ao time profissional.
                Senti pena dos dois, porque quase certamente, se conseguirem ser aprovados e jogarem no sub-alguma coisa do clube, o máximo que alcançarão é atuar em clubes que disputam a Série C do Campeonato Gaúcho, é isso que lhes espera. Depois de jogarem profissionalmente por doze, treze anos em clubes desse patamar, voltarão à estaca zero, sem qualquer formação profissional e sem ter tido ganhos financeiros que lhes permitissem constituir um patrimônio expressivo e uma acumulação considerável de dinheiro.
                Seleção Brasileira, Benfica, Atlético de Madri, ser um "novo" Neimar ou Cristiano Ronaldo, são desejos e sonhos, bonitos para crianças e adolescentes, que em casos assim apenas aliviam um caminho árduo, sem brilho ou fama.

                Senti pena de ambos, pois não creio de forma alguma que futebol deva ser a única possibilidade desses guris vencerem a miséria. Não acredito que esporte qualquer seja, deva ser uma "profissão"; para atuar em um clube de futebol ou de voleibol, a filiação deveria ser algo voluntário e, por isso, sem possibilidade alguma de remuneração. Não deveria nem haver ajuda de custo: você pratica determinado esporte porque gosta, e fim de conversa. Todos as crianças e adolescentes deveriam sim ter acesso a uma educação de qualidade equivalente a alemã ou finlandesa, e especialmente as oriundas de famílias pobres ou miseráveis, a preferência para a admissão em curso do SENAI, a fim de que com 21, 22 anos, tenham chances mais concretas de um emprego.
                Há os que, após lerem isso, pensarão que sou preconceituoso e não desejo que esses jovens consigam chegar à universidade. De modo algum: se é isso que eles querem também os apoio, o Governo Federal mantém o Fies. Porém, creio que esses já quase adultos que querem suplantar a pobreza ou a miséria precisam primeiramente, prioritariamente, de emprego e salário, e para isso, carecem de uma formação qualificada, adequada, e em um espaço de tempo mais curto do que o mundo acadêmico lhes oferece. E trabalhar na indústria, em uma linha de produção não é demérito, degradação alguma, isso não passa de um pensamento burguês, de gente que ainda herda uma característica da cultura ibérica: ser avesso ao trabalho, especialmente se este exigir esforço físico em qualquer grau; pessoas que se consideram "progressistas" ainda alimentam tal ideia.


                Não imagino o que será daqueles dois adolescentes, se conseguirão, por um capricho do destino, serem admitidos pelo clube. É provável que, mesmo que o responsável naquele momento tenha algum número de telefone para contato, não vá chamá-los para teste algum. E tendo essa ilusão estilhaçada, terão uma vida difícil.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

PRÓLOGO PARA A RESENHA DE UM LIVRO (QUE NEM SEI SE CONSEGUIREI FAZER!).

Há umas três semanas, aproximadamente, comprei o livro “Galveston”, escrito por Nic Pizzolatto – ele mesmo, o criador/showrunner de “True Detective” (das duas temporadas, a primeira [2014] é a melhor até agora, e reflete mais a verve criativa do escritor norte-americano do que a segunda [2015]). Para escrever uma resenha honesta, preciso reler o livro (algo que vai me tomar um tempo razoável); enquanto não faço isso, deixa para você que lê o “Constato Fatos” um texto do site Papo de Homem sobre a filosofia niilista (?) ou pessimista (?) sub-reptícia na 1ª temporada de “TD”, expressa pelo protagonista (e ícone contemporâneo de muitos internet afora, justamente por suas falas, especialmente do primeiro ao sexto capítulo – cada temporada tem oito) Rustin Cohle (interpretado por Matthew McConaughey de um modo que jamais vi qualquer ator ou atriz atuarem em minha vida!).

Segue o texto abaixo:


A vida tem sentido?
Por Victor Lisboa
Em 15/04/2014 às 00h00min | Artigos e ensaios Mente e atitude

Nota do autor: embora este texto utilize como referência um personagem de TrueDetective, sua leitura não depende de o leitor ter assistido ao seriado; também não há, no texto, qualquer revelação sobre a trama. Sem spoilers.

1.     Entardecer: a viagem ao fim da noite

“Vi o fim de mil vidas, de jovens e velhos. E cada um deles estava tão seguro de sua realidade, de que sua experiência sensorial formava um indivíduo único, dotado de propósito, de significado, tão seguro de que era mais do que um fantoche orgânico. Bom, a verdade sempre aparece, e todo mundo percebe que, quando as cordas são cortadas, todos caímos. Não importa se eles já estão mortos, você ainda consegue ler em seus olhos. E o que você vê? Que eles deram boas-vindas à morte. Não no início, mas exatamente no último instante. Isso é um alívio inconfundível, pois antes eles estavam com medo e aí percebem pela primeira vez como é fácil simplesmente se entregar.
E eles percebem naquele último nano segundo que eles, que você, você mesmo, que todo esse grande drama não passa de um ajuntamento de presunção e de tola vontade, e que você pode finalmente se deixar levar, agora que não precisa suportar tudo com tanta firmeza, e ver que sua vida, que todo seu amor, seu ódio, suas lembranças, sua dor, tudo isso foi uma mesma coisa: tudo o mesmo sonho, um sonho que você teve dentro de um quarto trancado em sua cabeça, um sonho sobre ser uma pessoa.”.

Ao lermos essas palavras, ditas pelo personagem Rustin Cohle (interpretado pelo vencedor do Oscar, Matthew McConaughey) do seriado True Detective, é quase impossível resistir à tentação de clicarmos em outra aba do navegador, consultarmos outra notícia qualquer ou qualquer atualização no Facebok. Os mais descuidados em relação às suas próprias vidas, os menos interessantes dentre os seres humanos podem até esboçar uma frase padrão como “bobagem, o importante é deixar a vida me levar” e recorrer a alguma difusa lembrança sobre suas convicções espirituais — mas nada muito complicado ou sério porque cansa. Trata-se de puro instinto de autopreservação. As palavras do personagem são quase tóxicas, radioativas para nossos egos, ciosos que somos de nossa importância.
Porém, há uma desonestidade fundamental em lermos essas palavras e desviarmos nossos olhos delas sem ao menos uma detida reflexão. E se trata do pior tipo de desonestidade: aquela que cometemos contra nós mesmos. É desonesto não porque as palavras de Rustin sejam necessariamente verdadeiras, mas porque só podemos ser francos diante de nós próprios após experimentarmos a visão de mundo que nos é duramente proposta por elas, encarando a questão sobre se tais palavras descrevem ou não uma verdade. Afinal, o personagem Rustin e todos aqueles pensadores e filósofos reais que ele representa não pretendem expressar uma opinião, mas descrever um fato. Um fato que nos diz respeito. Intimamente.
Então, se a descrição feita for falsa, apenas perderemos um pouco de nosso tempo com uma bobagem. Mas se a descrição for real, então nossa desonestidade resultará em que só descobriremos a verdade sobre nossas próprias vidas quando esse conhecimento não for de utilidade alguma. E acontece que mesmo uma verdade dura, amarga, é mais útil e preciosa para nossas vidas do que todas as ilusões coloridas que possamos ter a respeito dela, e acredito nisso, pois tenho um lema que me guia: às vezes há uma grande potência em reconhecer o quão pouco se pode.
Por isso, convido o leitor a uma longa viagem ao fim da noite. Proponho que, diante da tela do computador, tablet ou celular, ou mesmo imprimindo esse texto, tenha alguns minutos de coragem, respire fundo e escute aquela vozinha na sua cabeça que sussurra que repete:
A vida tem sentido? Vou morrer mesmo? Algum dia vou me sentir realizado ou isso é uma ilusão?

2. Noite: somos um terrível acidente da natureza?

“A consciência humana foi um trágico passo em falso na evolução. Nós nos tornamos autoconscientes demais. A natureza criou um aspecto distinto de si mesma. Somos criaturas que não deveriam existir segundo a lei natural. Somos coisas que operam sob a ilusão de possuírem uma identidade. Esse acréscimo de experiência sensorial e de sentimentos é programado com a total garantia de que somos alguém quando, na verdade, todo mundo é coisa nenhuma.”
Rustin Cohle é um detetive fictício criado por Nic Pizzolatto, que se inspirou no livro The Conspiracy against the Human Race (A Conspiração contra a Raça Humana) de Thomas Ligotti para criar a filosofia pessoal do personagem, como declarou em uma entrevista. Thomas Ligotti é o mais recente pensador de uma longa tradição de intelectuais que, como Emil Cioran (escritor e filósofo romeno), enxergam a existência humana como um erro. E esse erro reside justo naquilo que nos distingue dos outros animais: a intensidade de nossa consciência. É que, embora já esteja comprovado que os outros animais possuem, sim, consciência, a nossa é muito mais desenvolvida, e essa característica é considerada um defeito de fábrica replicado a cada nascimento humano por pensadores como Ligotti, Cioran, Edgar Saltus, Unamuno e Wessel Zapffe.
A natureza do defeito seria que nossa consciência consegue sonhar com o eterno, com o impossível e com diversas formas de êxtase, mas o mundo orgânico só tem a nos oferecer a mortalidade, a insignificância e o desconforto (quando não a dor, muita dor). E uma das provas de que esse defeito de fábrica seria grave é o fato de que somos loucos o suficiente para criar armas nucleares e montar um arsenal capaz de destruir o planeta diversas vezes. Segundo essa turma de pensadores, que eu jamais convidaria para animar uma festa, do ponto de vista de uma mente que procura sentido, que é capaz de conceber outras possibilidades e de sonhar até com o impossível, a vida nada mais é que um absurdo, uma espécie de condenação. E a prova do quão profundamente esse absurdo nos abala e nos converte em organismos defeituosos é que somos capazes de fazer o que nenhum outro organismo do mundo sequer sonha em fazer, somos capazes de cometer o único pecado, o único crime da Mãe Natureza — ela, que perdoa absolutamente todos os outros crimes e pecados cometidos por seus filhos: somos capazes de cometer suicídio.
Ligotti resume bem essa perspectiva de que seríamos um erro da natureza no seguinte trecho de A Conspiração contra a Raça Humana (a tradução é minha):
“Para o restante dos organismos do planeta Terra, a existência é relativamente simples”. Suas vidas giram em torno de três coisas: sobrevivência, reprodução e morte — e nada mais.
Mas nós, humanos, sabemos demais para nos contentar com sobreviver, reproduzir e morrer — e nada mais. Nós também sabemos que iremos sofrer durante nossas vidas mesmo antes de enfrentar o sofrimento (lento ou rápido) que provavelmente vamos vivenciar quando chegar o momento da morte. Este é o conhecimento de que “desfrutamos” na posição de organismos mais inteligentes a brotar do seio da mãe natureza. E, sendo dessa forma, nós nos sentimos trapaceados se não houver nada mais para nós do que sobreviver, reproduzir e morrer. Queremos que exista algo mais do que isso, ou gostamos de pensar que existe. “Essa é a tragédia: a consciência nos forçou a ficar na paradoxal posição de nos esforçar a permanecer inconscientes sobre quem somos — nacos de carne em decomposição envolvendo ossos que se desintegrarão.”
Embora o filósofo existencialista Albert Camus não se filie aos pessimistas que flertam com a condenação da raça humana, só conseguiu afirmar a vontade de viver após enfrentar com honestidade uma questão delicada: diante de uma vida absurda, a única opção lógica não seria o suicídio? Camus ousou enfrentar essa pergunta e concluiu pela afirmação da vida. Teremos coragem, leitor, de enfrentá-la como Camus? Vamos adiante, em direção à noite escura, de mãos virtualmente dadas, se necessário.

3. Meia-noite: a mentira é nossa vocação?

“Veja, temos dentro de nós o que chamo de armadilha da vida, esta certeza enraizada em nossos genes de que as coisas serão diferentes conosco, de que você mudará para outra cidade, conhecerá pessoas que se tornarão seus amigos pelo resto da vida, de que se apaixonará e se sentirá completo.” Se essas outras palavras do personagem Rustin Cohle expressarem a verdade sobre a natureza humana, então a única força que nos faz seguir vivendo é uma espécie de programação genética que nos induz a ter esperanças, por mais que os fatos contradigam firmemente e reiteradamente nossas melhores esperanças. Seria um mecanismo simples, ainda que terrível inserido dentro de cada indivíduo, iludindo-o, impedindo que ele cogite o suicídio. Mas quando pensamos sobre esse mecanismo de forma mais ampla, quando falamos de sua influência em nossa civilização, é aí que temos um verdadeiro abalo sísmico em nossa visão da sociedade.
ErnestBecker publicou seu devastador The Denial of Death (A Negação da Morte) em1973. Ainda pretendo falar mais a respeito dessa obra. Mas o que nos importa agora é que, para Becker, o pavor humano diante da mortalidade faz com que nossa cultura seja uma grande máquina dedicada a impedir que os indivíduos percebam a realidade sobre sua própria condição existencial. Segundo essa concepção, uma enorme parte de nossa energia e de nossos recursos enquanto sistema social é destinado a mascarar a verdade. Em outras palavras, a maior parte de nossas instituições, a maioria de nossos valores culturais, todas nossas ideologias ou doutrinas espirituais, e mesmo a maior parte do que nos é repassado como visão de mundo ideal na forma de publicidade e de mídia social não passaria de um conjunto de estruturas cuja funcionalidade principal é, essencialmente, distrair a todos nós sobre nossa verdadeira condição humana, desviando nossos olhos da percepção de que somos como Ligotti falou “meros nacos de carne”.
Essas palavras do personagem Rustin Cohle resumem tudo perfeitamente:
“O que isso diz sobre a vida? Vocês precisam se reunir, contar a vocês próprios histórias que violam cada uma das leis do universo apenas para conseguir levar o maldito dia?”
E a conversão da civilização em uma máquina de distração que nos impede de percebermos nossa verdadeira natureza ocorre seja porque é a forma mais eficiente de nos manter operacionais e produtivos enquanto membros de uma sociedade seja porque somos herdeiros das soluções equivocadas que nossos antepassados tiveram de improvisar quando esse problemão, o excesso de consciência, caiu em seus colos. Sendo mais preciso sobre esse último ponto, o problema não é a verdade que não conseguimos ver, por estarmos distraídos graças a um sistema social produtor de ilusões coletivas. O embaraço está no fato de que nossos antepassados decidiram, equivocadamente (e precisamos respeitar o medo que motivou esse erro), lidar com essa verdade simplesmente por meio da sua negação, da cegueira, e assim construíram uma sociedade cujos valores e alicerces estão baseados na ilusão.
Como somos herdeiros dessas escolhas e vivemos em tal sociedade, desmontar a armadilha de negação e ilusões é, para nós (para nosso ego), uma experiência dolorosa e problemática, já que fomos educados e condicionados a acreditar e a sonhar com uma condição humana que não é verdadeira e que está tão afastada da realidade que ela, a realidade, nos parece amarga. Perceba aqui o truque de ótica: a realidade que recusamos a ver não é essencialmente amarga (talvez fosse até doce), mas a sentimos assim porque somos vítimas da elementar regra de que quanto maior é o voo das ilusões, maior é a queda na realidade. Se todos nós tivéssemos nascido em uma sociedade cujos valores estivessem alicerçados não na ilusão, mas na realidade, tal como ela é, talvez nosso mundo produzisse menos sofrimento desnecessário e gastaríamos menos energia e recursos humanos alimentando engodos. E o sofrimento desnecessário teria origem no fato de que pagamos um preço alto demais para nos manter agarrados a ilusões. Quantas vidas já foram sacrificadas em nome de religiões, de ideologias, doutrinas que, no fundo, servem apenas para neuroticamente nos manter absortos e distraídos em relação a real condição humana?

4. Madrugada: nossos erros são eternos?

“É como se esse universo fosse processado por nós de forma linear e para frente. Mas fora de nosso espaço e tempo, no que seria uma perspectiva de quarta dimensão, o tempo não existiria, e desse ponto de vista, se pudéssemos atingi-lo, nosso espaço-tempo pareceria achatado, como uma simples escultura com a matéria em uma superposição de todos os lugares já ocupados, nossa consciência apenas circulando através de nossas vidas como carros em uma pista. Entenda tudo que há fora de nossa dimensão é eternidade, a eternidade olhando para nós.”
O objetivo deste artigo não é tratar de cosmologia ou da estrutura do espaço-tempo, e muito menos da filosofia do Eterno Retorno de Nietzsche – que até encontra, é verdade, algum apoio em certas especulações científicas. Mas ao menos é preciso lembrar que, sendo o tempo uma dimensão, então hipoteticamente haveria um ponto de vista fora do tempo, no qual todos os instantes são eternos: eles estariam lá para sempre, todos os momentos de nossas vidas. É como se cada instante fosse um ponto arranjado ao lado de outros, numa superfície chamada Tempo. Nossa consciência, inserida em um universo entrópico, percebe apenas um ponto por vez, em uma sequência causal. Mas cada momento de nossas vidas está lá, eternamente presente. Tudo isso foi dito apenas para potencializar a entrada em cena, na nossa viagem ao mais fundo abismo da insignificância humana, de outro personagem, dessa vez literário.
Em um trecho da obra Irmãos Karamazov, o pessimista Ivan Karamazov conta-nos a história de uma menininha que foi barbaramente torturada por seus pais, que sujaram seu rosto de merda antes de trancá-la em uma latrina, sozinha, durante uma noite inteira. Ivan argumenta que se apenas uma vez em toda história do universo uma só criança foi submetida a tamanho sofrimento, isso é o suficiente para definir toda a Criação como um perfeito cataclismo, um desastre de proporções universais. Para o mais atormentado dos Karamazov (um cara que mantinha diálogos com o diabo em pessoa), diante das lágrimas de uma só criança inocente submetida ao terror, o mundo inteiro não tem qualquer valor. É como se aquele fato, mesmo que fosse o único, continuasse a existir, de alguma forma, para sempre. E hoje sabemos que todo fato, de certa forma, nunca deixa de acontecer. Ele está sempre ali, em seu lugar no tempo. A criança sempre chora no banheiro escuro, com sua máscara de fezes. Seu pranto sempre poderá ser ouvido.
Pior ainda, sabemos que não há apenas uma criança. Sabemos que incontáveis crianças foram e são agredidas, abusadas, violentadas e submetidas às mais diversas formas de injustiças e violências desde que o mundo é mundo. Não é nem preciso ser versado em história da humanidade. Basta abrir o jornal para ver que se trata de um coral sinistro de prantos e gritos infantis, ecoando pelo breve tempo em que o universo, silencioso e gracioso com suas rochas planetárias e bolas de gases incandescentes, testemunha a insignificante presença humana.

5. Madrugada clara: na noite é que nossos olhos resplandecem

Na 1º temporada de True Detective, o personagem Rustin Cohle confronta-se em todos os episódios com outro personagem. Na série, o detetive Marty (Woody Harrelson) representa, em diversos aspectos, o oposto de Rustin, até por ser alguém que alega acreditar no sentido da vida e na importância dos valores de nossa sociedade. E o que nos importa é que, quando uma terceira personagem, que conhecia bem os dois, tentou descrevê-los, disse o seguinte:
 “Rust sabe exatamente quem ele é, e não há quem o convença do contrário. Já o único problema de Marty é que ele não conhece a si mesmo, então jamais soube o que quer.”
Segundo Rustin, a única diferença entre ele e Marty, sua contraparte, é a negação. Ou seja, Marty nega-se a enxergar a verdadeira natureza da realidade. E assim ele tenta encobrir suas próprias incoerências emocionais e o modo descuidado como machuca quem o ama com desculpas para sua incapacidade de perceber o que realmente é importante nesta vida finita e cercada de incertezas. Como ele próprio diz em determinado momento da série, seu maior pecado é não ter prestado atenção ao que importa. O que nos espanta, já que viveu negando sua real condição humana, submerso que estava na ilusão de que, no fundo, é imortal. Foi Carlos Drummond de Andrade, em “Os Ombros Suportam o Mundo“, que expressou toda a potência que encontramos durante essa nossa viagem pela noite escura, quando assumimos o risco de aceitar até mesmo o lado mais desagradável de nossa condição humana, a de que morreremos. O poeta, em meio a versos duros, de ferro, afirma que “na sombra, teus olhos resplandecem enormes”.
E é verdade. Quando aceitamos os aspectos mais indelicados, mais crus, da realidade humana, a luz que parece faltar ao nosso redor surge em nossos olhos, e percebemos que dia e noite são apenas uma questão de perspectiva. Pois se vermos nossa condição pessoal, enquanto seres humanos, tal como ela realmente é, significa lucidez (do latim lucidus, que significa “cheio de luz”) então não há momento de maior claridade do que esse. Assim, a consciência de nossa mortalidade pode rearranjar nossas prioridades e nos encorajar a não protelar nosso comprometimento com a vida. A percepção da impermanência de tudo pode transformar a forma como nos relacionamos com os outros e com o mundo, além de reestruturar nossa escala pessoal de valores. A compreensão de que certa quota de sofrimento é parte inerente de nossa existência pode estimular o exercício da compaixão por todos os seres vivos, já que todos nós vivenciamos a mesma experiência fundamental de confusão e finitude.
É interessante que, quando lhe perguntam por que não desenvolveu seus outros talentos, como a pintura, e decidiu devotar-se totalmente à carreira de detetive, Rustin respondeu que a vida mal dura o suficiente para nos tornarmos bons em uma só coisa, isso quando dura, então é bom se cuidadoso com aquilo no qual você escolher ser bom. Como um banho de água fria, compreensão de que nossas vidas são finitas tem a vantagem de nos acordar e limpar a sujeira em nossos olhos, eliminando todos os obstáculos que nos impedem de ver o que realmente importa aqui e agora. A permanente consciência de que vamos morrer um dia é capaz de rearranjar nossos valores e prioridades de uma forma mais fiel a nossos princípios e caráter. Já não perdemos tempo nem nos distraímos com coisas que nos desviam do que realmente é importante em nossas vidas.
Como os antigos samurais que acordavam a cada manhã e pensavam que aquele podia ser seu último dia neste mundo, Rustin está sempre consciente de que a existência é breve, de que não temos muito tempo, de forma que é necessário escolher bem o que se deve fazer nesta vida.

6. Amanhecer

Consolar-se apenas nas preciosas vantagens de reconhecer a finitude da vida ainda é pouco. Não queremos apenas a madrugada consoladora, marcando a passagem da meia-noite. Queremos a manhã completa. Desejamos seguir na jornada ao fim da noite até seu verdadeiro final, até encontrar um sol. Talvez (eu disse talvez) Rustin e os filósofos pessimistas, sujeitos que eu não convidaria para um bar de karaokê, estejam corretos em descrever a condição humana como finita impotente, transitória, e nossa personalidade como mero resultado de funções essencialmente orgânicas. Talvez tenham razão em dizer que somos apenas um “fantasma” decorrente de uma tempestade elétrica que agita o cérebro humano, um acidente evolutivo imerso em um universo hostil e sem sentido. Porém, e por mais estranho que isso possa soar a muita gente, tal percepção dos fatos não é essencialmente trágica. Não há pessimismo inerente em nada disso.
Pois, como disse Fernando Pessoa, ninguém chora porque as pedras não são perfeitamente redondas. E isso ocorre porque sabemos que essa ideia é apenas isso, uma ideia em nossas cabeças, sobre a forma perfeitamente esférica, que poderiam ter as pedras. Da mesma forma, apenas o fato de que fomos educados e condicionados a conceber algumas ideias (a eternidade da alma, a existência de uma razão para tudo, a importância fundamental de nossa individualidade) como descrições da realidade é o que nos faz “chorar” quando vemos que as pedras de nossa vida não são redondinhas como nos prometeram que seriam.
Portanto, ainda que talvez seja correta a descrição da vida feita por Rustin Cohle e por todos aqueles filósofos pessimistas que eu não espero ver cantando alegremente “Obladi Oblada” num domingo ensolarado, o fato é que essa descrição está equivocadamente pintada com cores emocionalmente negras, e não porque a realidade seja sombria, mas porque essas são as tintas escuras que nosso ego, decepcionado por ter caído do cavalo, decide utilizar. Pois a verdade é que não somos máquinas que meramente registram fatos, e sim seres vivos que reconstroem emocionalmente esses fatos ao mesmo tempo em que os observa, interpretando-os em um contexto específico.
E que contexto é esse? Invariavelmente é o contexto do ego. E o ego é aquela parte de nós que, desenvolvendo-se a partir do instinto de sobrevivência animal, fala sempre “eu, eu, eu, eu”. É aquela parte em nós que mede todas as coisas do mundo segundo si próprio, que alimenta continuamente a ilusão sobre sua auto-importância, e que facilmente abraça a ideia de que se é alguém especial, um ser único, possivelmente eterno. Quando o ego quer, nada é capaz de fazer com que ele compreenda e aceite as razões pelas quais seu querer não pode se converter em uma ordem para o universo. O ego é aquela parte de nós que vive todo dia como se a vida fosse um grande filme cujas câmeras estão todas focadas para sua própria história pessoal (qualquer semelhança com o Facebook não é mera coincidência). O ego é aquela parte em nós que nos conta, todo dia e para cada fato que nos ocorre, uma novelinha sobre quem somos e sobre o porquê de estarmos ali.
E é o ego humano que se desespera, ao despertar para a verdade de que sua noção de auto-importância é um tanto exagerada. É o ego humano que se deprime profundamente quando acorda e vê que sua novelinha no fundo é um arremedo de narrativa que mal encobre a verdadeira história, “cheia de som e fúria, significando nada”, que sua vida é finita. E então o ego, portando-se como uma criança mimada, faz exatamente aquilo que o personagem Rustin Cohle faz: reage emocionalmente aos fatos. E aí estamos diante de uma pessoa como várias que conhecemos no mundo real, alguém que se torna quase uma caricatura.
É o tipo de pessoa que, como um Hamlet fora de seu tempo, arma uma cara de quem está chupando limão, veste roupas rotas ou escuras, começa a amaldiçoar a vida, repete todos os dias a si mesmo que a existência é terrível, que o mundo é como o inferno, que nada vale alguma coisa, que todos somos carne condenada à infelicidade, que a solução é se entorpecer e não acreditar em nada, não esperar nada, não lutar por nada. Isso tudo, no fundo, não passa de uma reação infantil, digna de um menino de dois anos. E como fazemos para crescer? Não é nada simples, mas muito promissor: precisamos superar a perspectiva do ego.

7. O sol

Para questionar a visão dos pessimistas como Ligotti, Cioran, Edgar Saltus, Unamuno e Wessel Zapffe, caras que eu não convidaria para animar uma festa de aniversário, não precisamos atacar seu pressuposto de que a consciência é meramente um produto do organismo humano, do cérebro. É que esses pensadores, que enxergam na consciência humana uma aberração da natureza diante da qual devemos reagir extinguindo a nós próprios, partem de uma ideia possivelmente errônea: a de que este momento em que a consciência humana se encontra é seu momento definitivo, estagnado, e não uma mera etapa de sua evolução. Eles contradizem, de certo modo, o próprio pressuposto de sua teoria — a de que há um processo de desenvolvimento da consciência, que nos trouxe aqui, até esse momento que eles consideram terrível. Parecem sequer supor que esse processo pode estar em franco desenvolvimento, e deixam de cogitar que, em uma próxima etapas da evolução da consciência, poderemos superar alguns dos atuais dilemas da condição humana.
A esses pessimistas não ocorre que podemos ser apenas um malabarista na corda bamba que liga dois pontos: de um lado, no passado, o estado animal do qual viemos; do outro, no futuro, um estado de percepção da realidade em que não sofremos mais com o abismo que supostamente há entre as aspirações de nossa mente e os limites da realidade orgânica. Wessel Zapffe, por exemplo, chegou a sugerir que a solução para o problema é “limitarmos” nossa consciência, é ficarmos mais alienados, mais idiotas. Parece sequer cogitar que a solução esteja, ao contrário, em expandir essa consciência.
E aqui cabe a pergunta: se a consciência tem a capacidade paradoxal de julgar a própria natureza que a origina e mantém, não teria nossa consciência, atualmente, também a paradoxal capacidade de alterar a si mesma? Em outras palavras: a consciência, por meio não só da ciência, mas também de outras ferramentas exploratórias, como a meditação (que nada tem de mística ou sobrenatural) não seria capaz de acelerar sua própria evolução? E qual o sentido dessa evolução? As duas primeiras perguntas prefiro não responder. Mas arrisco a terceira: se eu pudesse apostar em uma direção, seria naquela em que nossa consciência se desenvolve ao ponto de relativizar a posição do ego em nossas vidas, mantendo-o fortalecido apenas nas funções para as quais ele ainda faz bem seu trabalho (afinal, precisamos sobreviver, nos alimentar, conseguir um emprego…), mas deslocado do centro de nossa percepção da vida e de nossa interpretação do mundo circundante.
Somente uma consciência que conseguiu sair da caixinha do ego é capaz de fazer frente a um mundo que não corresponde às expectativas alimentadas por esse mesmo ego. Somente uma consciência que ampliou a si própria para além dos limites do ego é capaz de evitar que ele afunde na depressão e nas lamúrias de uma criança mimada que viu seu brinquedinho (as suas expectativas sobre como a vida deveria ser) cair no chão e se quebrar. E então chegou o momento em que podemos conferir outro sentido para aquela proposição que, embora já seja lugar-comum, não deixa de ser menos verdade: a de que cabe a humanidade construir um sentido coletivo para a vida. E só então percebemos a clarividência de Nietzsche, quando afirmou que a arte é a única coisa que redime a vida, que supera seus aspectos problemáticos e dolorosos. Mas não arte apenas enquanto escultura, literatura, música, e sim arte como no radical de artífice, como a capacidade humana de utilizar seu poder criativo para esculpir sua própria identidade, inventar e narrar a si própria à evolução da própria consciência, cantar um sentido para sua própria vida.
Talvez esse impulso criador e criativo da mente humana seja a chama que resplandece em nossos olhos. Sim, porque temos olhos, enquanto as rochas planetárias e os gases incandescentes que povoam o universo são cegos para seu próprio brilho. Por trás de toda essa história apenas esteja a mais antiga de todas, sobre a batalha entre a escuridão de nossa ignorância e a luz em nossa consciência. Uma luz que, se não existe fora de nós, se não é dada abundantemente pela natureza, então precisamos alimentar e ampliar, pois talvez C. G. Jung esteja certo em dizer que o único propósito da existência humana é acender uma luz nas trevas do mero existir.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A IPANEMA FM AGORA É MERAMENTE HISTÓRIA (OU: COMO TUDO NA VIDA TEM SEU FIM)

Pois é, às 7h da manhã de 18-5-15, a Ipanema FM 94,9 “morreu”, sendo substituída pela rádio Band AM de Porto Alegre; uma lástima, para muitos - será, agora, somente uma web rádio. Para mim e outras pessoas, um fim há muito tempo aguardado. Lamentações no facebook e em sites locais de notícias não faltaram; compreendo a “dor” (se é que esse é o conceito correto) pelo fim de uma entidade tão importante na cultura de Porto Alegre durante a década de 1990, mas a velha Ipanema já estava em “ponto morto” e “ladeira abaixo” em termos de relevância há mais de uma década.
           Comecei a ouvir a programação da emissora em janeiro de 90, perdeu-se na memória se alguém me indicou a emissora ou sintonizei por acaso no dial do aparelho, o que certamente tenha sido o mais provável, e claro que me chamaram a atenção àquelas canções tão diferentes de artistas e grupos que não eram executadas na também extinta Universal FM. Demorou um pouco para me adaptar àquela pauta musical e àqueles locutores que falavam como se estivessem em uma mesa em algum bar no Bonfim; não que eles me parecessem mais inteligentes ou mais ousados que os de outras emissoras, mas eles tocavam músicas e abordavam assuntos que outros não queriam ou podiam mencionar, e isso era um diferencial para mim e tantos outros ouvintes.
           Kátia Suman, Nara Sarmento e Mary Mesari (espero ter digitado teu sobrenome corretamente) são as vozes de rádio “oficiais” da minha adolescência, qualquer novo grupo ou músico que elas afirmavam ser bom, obviamente era bom, a gente confiava no que elas diziam; já o “alemão” Vitor Hugo não era alguém que eu costumasse ouvir seu horário, mesmo porque nesse período eu ia ao colégio durante a manhã, e tinhas as tardes e noites disponíveis para escutar a rádio. E outra locutor de rádio de rock que quer falar sobre seu time de futebol (sou torcedor do Internacional, assim como o Vitor Hugo fanfarrão) que vá trabalhar em rádio de esportes!
           Não me reservo à nostalgia que muitos “ipanêmicos” expressam pela desativação da emissora, só que é preciso entender que qualquer contexto que tenha tido um auge, invariavelmente terá um fim se não se renovar, se não se atualizar. E é isso exatamente isso que houve com a 94.9; desde o momento em que me tornei ouvinte da rádio até o corrente mês de maio de 2015, senão o mundo, ao menos a sociedade local mudou bastante, e a tecnologia em geral avançou de um modo impressionante. Lembro-me de um programa que era transmitido, se não estou enganado às terças-feiras às 23 horas (ou era às 0h de quarta para quinta-feira?), chamado “A Hora do Demo”, para o qual as bandas iniciantes da capital do Rio Grande do Sul e cidades vizinhas enviavam suas fitas demo, a fim de que fossem veiculadas naquela uma hora de programa. Afora esse único espaço na grande mídia para quem não tinha ainda um contrato com qualquer gravadora, por menor que fosse a única alternativa era tocar, por exemplo, no também defunto Garagem Hermética para meia dúzia de pessoas, sem qualquer garantia de futuro nessa empreitada árdua que é uma carreira musical.
           O avanço tecnológico da década de 1990, que abarca a chegada da internet no país, o que inclui o acesso a sites sobre música (em língua portuguesa, em inglês, em francês), de compartilhamento de arquivos em mp3 e depois, com o surgimento do Youtube, transformaram radicalmente a forma com que as pessoas conhecem música e o modo com artistas iniciantes divulgam suas gravações (sendo que atualmente, com o equipamento adequado, pode se gravar quantas músicas se desejar e “jogá-las” na internet), somado ao encerramento de atividades de vários artistas e bandas que despontaram com a onda do rock gaúcho na década anterior, são os fatores cruciais para a “puxada de tapete” da Ipanema como a emissora que executava aquela “pauta musical” que não cabia nem na Universal FM nem na rádio Atlântida, e isso foi fatal para a emissora, que ao deixar de ser a “definidora de gostos musicais e culturais não-mainstream”, começou a se perder no finalzinho do século XX.
           Afirmo isso, pois ali por 1999, 2000, nos domingos à noite passou a ser um veiculado um programa apresentado por uma modelo e um DJ (não me lembro de seus nomes, providencialmente), que se não me engano trocavam algumas figurinhas sobre moda e comportamento, sendo que o tipo de música executado era hip-hop, uma orientação bem diferente do que estávamos até então acostumados, e nos anos seguintes, a emissora parecia mais haver se tornado uma rádio de rap do que qualquer outra coisa, e esse foi o momento em que “abandonei o barco”. Em 2006, tentei voltar a escutar a programação, só que ali naquele momento, parecia que a Ipanema havia se tornado uma rádio de reggae, e outra vez desisti de ouvi-la. Isso sem contar as transmissões de partidas de futebol, em forma de rede com a Band AM 640 (2011 - 2014), o que espantava muitos ouvintes nos finais de semana.
           De 2013 para cá, pareceu haver um ensaio de renascimento, só que não muito crível o que ficou claro com o surgimento de um programa chamado “A La Minuta”, um espaço para debates os mais variados entre 12h e 13h; difícil engolir as opiniões de “gênios” tais quais Cagê Lisboa, Ico Thomaz, Fabiano Baldasso e Tadeu Malta (todos ex-funcionários da RBS, curioso) e, como se não bastasse, daquelas menininhas locutoras, como a Juli Baldi, que se acham donas da verdade e que querem todos engulam as opiniões delas sobre o modo de viver das pessoas - neste momento, ocorreu a, digamos, “morte cerebral” da emissora! Uma tentativa vã de ter recuperar a relevância midiática e cultural de duas décadas antes, com um mudança de perfil (e um certo ranço reacionário) que não convencia: a Ipanema de janeiro de 90 tinha a cara do quarteirão que fica no início da Avenida Osvaldo Aranha, de frente para o Campus Centro da UFRGS, contestadora, levemente esquerdista e pluralista; a Ipanema “renascida” de 2014 tem a cara da Cidade Baixa, festeira (com um ranço de estar alcoolizada exagerada e imprudentemente), pensando que sabe de tudo, mal disfarçadamente direitista, cheia de si e com muito pouco a dizer. Desse jeito, não teria como continuar, mesmo.
           O anúncio do fim da emissora pegou muita gente de surpresa, mesmo a mim, quando o Cagê Lisboa postou em seu perfil no facebook que tinha sido demitido (isso foi na segunda dia 11/5); antes, o Blog do Prévidi em post extraordinário ao meio-dia do domingo 10/5 anunciava a mudança, que é compreensível até, dado que a Band RS era a única emissora a transmitir notícias e futebol que ainda não tinha frequência em FM (sendo que as rádios Gaúcha, Guaíba e Grenal as têm já há alguns anos, e pela Bandnews Porto Alegre é possível transmitir apenas uma partida em cada rodada) e, convenhamos, jornalistas veteranos tais como Luiz Carlos Reche, André Machado, Diego Casagrande e José Aldo Pinheiro não se transferiram para a Rede Bandeirantes para serem ouvidos por quase ninguém.
           Quem se manifestou na internet contra o fim da emissora, lamentou no mais das vezes a extinção da mesma, outros a citaram como fator fundamental em sua “educação cultural”, sendo que alguns apontaram que essa situação seria uma ação da Rede Bandeirantes no sentido de “destruir a cultura de Porto Alegre”, como se a Ipanema FM 94.9 fosse realmente uma “estrutura alternativa”: pensem bem, uma “estrutura alternativa” teria 32 anos de existência dentro de uma empresa capitalista, se essa cultura que diziam que a rádio propagava não fosse algo “comercialmente vendável”? Aí não seria uma emissora comercial, e sim nos moldes da FM Cultura 103,3 de Porto Alegre (pertencente ao governo do RS) ou a Rádio da Universidade Federal do RS, essas duas sim veiculam música e cultura bem menos “vendáveis” que rock and roll, hip-hop e reggae, pauta costumeira da Ipanema nesses últimos 16 anos - sim, foram dezesseis anos de desorientação e de uma “agonia” patética e ridícula! Curioso, que nessa semana derradeira, sem os locutores, a Ipanema tocou mais rock and roll do que vinha fazendo até então.
           Para preencher esse espaço, há a Unisinos FM 103.3, que é uma emissora quase razoável e que não tenta ser nem a “velha” nem a “nova” Ipanema, apesar de veicularem umas músicas indie muito chatas em sua programação, e que até partidas de futebol transmite (com uma equipe de esportes que fala de Real Madrid e Barcelona em seus programas, felizmente!).
           Fica a saudade para todos nós que ouvimos a Rádio Ipanema FM 94.9 em algum período de nossas vidas, preferencialmente em seus melhores tempos, a revolta e lamentação daqueles que não queriam a desativação da mesma e transformação em web rádio, só que veículo de comunicação não dura muito tempo se não se renovar.

           RESMUINDO: NADA NA VIDA É ETERNO, E NÃO SERIA UMA EMISSORA DE RÁDIO FM QUE TERIA ESSA CONDIÇÃO, NÃO É MESMO?

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Que belos protestos de domingo (16-8-2015), não?



Mas porque protestavam os paulistanos? Porque o bife de contrafilé está mais caro; pedem o impeachment de Dilma Rousseff, mas elegem José Serra para senador, Fernando Haddad para prefeito e Geraldo Alckmin para governador;
E porque protestavam os cariocas? Porque o filé mignon está mais caro; também pediam o impeachment de Dilma Rousseff, todavia elegem Romário para senador, Eduardo Paes para prefeito e Luís Fernando Pezão para governador; elegem também para deputados federais Jair Bolsonaro, Jandira Feghali, Alessandro Molon e Jean Wyllys;
Quanto aos belo-horizontinos? Também exigem a saída de Dilma; porém, votaram em Márcio Lacerda para prefeito, Fernando Pimentel para governador e Antonio Anastasia para senador e Patrus Ananias e George Hilton para deputados federais;
E nós, aqui no Rio Grande do Sul? Também se foi às ruas de Porto Alegre clamar pela derrubada de Dilma Rousseff, porém votou-se em José Fortunati para prefeito de Porto Alegre, em José Ivo Sartori, Tarso Genro, Ana Amélia Lemos e Vieira da Cunha para governador, em Lasier Martins, Olívio Dutra, Simone Leite e Pedro Simon para senador, em Luís Carlos Heinze, Danrlei ex-goleiro do Grêmio (?!), Onyx Lorenzoni, Giovani Feltes, Paulo Pimenta, Marco Maia, Henrique Fontana, João Derly, Maria do Rosário, Nelson Marchezan Júnior e Sérgio Moraes para deputados federais, além de colocarmos na Assembleia Legislativa Manuela D’Ávila, Lucas Redecker, Edegar Pretto, Gilmar Sossella, Marcelo Moraes e Jardel ex-centroavante do Grêmio (?!).
Visto isso tudo, será que o problema, além de estar nos políticos que estão em seus cargos, não está também nos eleitores que neles votam, de um modo geral. Em 2016, teremos eleição para prefeitos e vereadores; e então, você aí, que é eleitor, votará nos mesmos políticos e partidos que sempre estão no poder, ou vai dar o seu recado a esta classe política e aos eleitores alienados por meio do voto em branco? Porque, sinceramente, quem vota mais de uma vez no Democratas, PCdoB, PDT, PMDB, PP, PSB, PSD, PSDB, PT e PTB não gosta apenas de sofrer individualmente, gosta que os outros sofram junto.

sábado, 28 de março de 2015

Segunda-feira, 25 de novembro de 2013.

Pobre da velha

Zapeando a televisão domingo ao meio dia, vejo Gal Costa no “Esquenta”. Veio–me um sentimento de pena por ela. Sua carreira já está no ocaso, e para ter atenção do público ou da mídia, se sujeita a aparições em péssimos programas como esse. Às vezes não sei o que pensar de cantores que chegam a um ponto assim em suas carreiras, deve ser complicado a não–aceitação da passagem do tempo, o fato de não atraírem mais o interesse do grande público e se submeterem a situações vexatórias em troca de migalhas de atenção.

Acho terrível, de um modo geral, ver pessoas nessa atitude de negar que o tempo passa, tentando viver uma juventude que já não têm mais há tanto tempo. Então ser artista nesses tempos atuais é isso? Buscar a notoriedade como um fim e não como um meio? Como em tudo na vida, esse pessoal deveria ter mais respeito próprio e não se sujeitar a qualquer coisa em troca de fugazes momentos de aparição em um programa televisivo. Ou serão tão prisioneiros assim de seus egos e da falsa sensação de grandeza? Pior, será que todos nós, mesmo não sendo músicos ou atores, agiremos assim também?

segunda-feira, 9 de junho de 2014

É, Caio, quem disse que a vida era tranquila?

Caio lembrou o quanto Sara estava longe, naquele momento; houvera se dado conta de que jamais a veria novamente... Apenas para sua própria tristeza, tão somente para cultivar uma saudade que usualmente pareceria nunca cessar.
Palmilhando uma rua punk de uma cidade punk, não podia negar a miséria que contaminava sua alma. Olhou para cima, divisou a lua cheia entre as nuvens negras e secretamente, pediu, implorou por redenção, qualquer que fosse. Entretanto, ele sabia–sentia que Deus nunca existiu, e sentiu que, definitivamente, seria impossível conforto algum para um coração perturbado como o seu...
Entrou em um bar (chique, aliás), e praticamente ordenou ao bartender que lhe entregasse uma garrafa de Johnny Walker. Eis que viu Jezebel sentada a seu lado, e naquele momento percebeu, surpreso, que ela lhe oferecia a chance de cometer todos os pecados.
E então a seguiu para seu apartamento – sentia que sua ansiedade parecia mesmo lhe indicar como se comportar, origem de um desejo pungente. Uma pulsão animalesca lhe ordenava rasgar as roupas de Jezebel, beijá-la, lambê-la, sentir seu sabor, mordê-la, acariciá-la, estapear seu rosto, tudo isso com um único intuito: esquecer a saudade que nutria por Sara, sentimento que agora acreditava irremediavelmente parte permanente de sua alma!

Ao acordar, viu o primeiro raio de sol, a luz primeira da aurora a iluminar a pele tão branca daquela desconhecida, seu cabelo ruivo; ouvia sua respiração. Dirigiu-se a uma janela para poder fumar um cigarro, quando teve a certeza de que continuava tão vazio quanto na noite anterior a tudo aquilo. Surpreendeu-se ao ouvir um Daft Punk, ainda que distante, àquela hora da manhã ("lose yourself to dance...") e sentiu que os próximos dias seriam difíceis. Nada intuía sobre seu futuro emocional imediato, e também nem estava interessado em saber...